• Livros e a biblioteca

    O Sol Também se Levanta, de Ernest Hemingway

    Minha segunda incursão pelo conturbado universo de Hemingway. No ano passado mergulhei de cabeça, daquele mergulho com roupa própria e tudo. Li duas vezes Por Quem os Sinos Dobram (e teve também leitura de fragmentos diversos por muitas e muitas vezes), li biografia, peça de teatro, texto de crítica literária e muitas outras coisas a respeito da vida e  da obra do autor norte americano. Tudo por conta da tal monografia de conclusão de curso. Nessas leituras descobri a paixão arrebatadora de Hemingway pela Espanha, e especificamente pelas touradas e a fiesta espanhola. Ele foi até toureiro amador, pasmem. E dessa paixão surgiram alguns livros. Dentre eles Por Quem os…

  • Livros e a biblioteca

    Todas as Histórias do Analista de Bagé

    O Analista de Bagé é um psicanalista que criou a terapia do joelhaço e faz muito sucesso com seus tratamentos nada convencionais. Ele é também um dos personagens mais famosos de Luis Fernando Veríssimo. Nesse pequeno livro estão reunidas as histórias do analista e por serem leves, divertidas, engraçadas e curtas, é super rápido de ler. Uma ou duas viagens de trem. São pequenos contos reunidos e talvez por isso algumas coisas se repitam demais, do meu ponto de vista. Em quase todas eles temos uma descrição de como é o divã do analista, de como é sua relação com a secretária e de como ele criou a terapia do…

  • Livros e a biblioteca

    Contos Gauchescos & Lendas do Sul, Simões Lopes Neto

    Nessa edição da L&PM é possível ler duas obras em uma. Contos Gauchescos trata de diversos contos curtos protagonizados ou narrados pelo mesmo personagem, o Blau Nunes. Já em Lendas do Sul são narradas histórias baseadas em algumas das lendas folclóricas aqui do Rio Grande do Sul, a descrição delas e ainda um apanhado rápido de outras lendas pelo Brasil afora. O bacana dessa obra, principalmente do primeiro livro, é o tom de conversa, de prosa mesmo, que o autor confere ao seu texto. Pois o narrador é um gaúcho do campo, ele é o contador de histórias, o velho proseador que abre o livro conversando com um personagem que…

  • Livros e a biblioteca

    Morte e vida severina e outros poemas para vozes

    Eu confesso que não sou muito chegada em poesia. Não tenho o dom para apreciá-las como deveria, são poucas as que me agradam. Não sei porque, mas desde que me conheço por leitora sou assim. No entanto, uma das coisas mais lindas que já li na minha vida foi a apresentação de Severino em Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto. É simples, sucinto, e ao mesmo tempo tão forte e marcante que é impossível esquecer quem é Severino. Ele é um nordestino, ele é ao mesmo tempo um personagem único e inúmeros brasileiros. O retirante nordestino a quem coube o nome de Severino percorre a mesma…

  • Livros e a biblioteca

    Olhai os lírios do campo, de Erico Veríssimo

    Não li muitos dos livros do autor gaúcho, mas pretendo ler todas as suas publicações. Porém, é inegável que a narrativa de Erico Veríssimo é sempre muito gostosa de ler. Ele tem o domínio das palavras. Em Olhai os lírios do campo, o livro que o tornou um escritor de sucesso, ele narra a história de Eugênio e seu amor por Olívia. O livro é dividido em duas partes e há uma diferença bastante grande entre elas. Essa distinção ocorre tanto na estrutura narrativa quanto na cadência da narrativa em si e da leitura. Na primeira parte somos apresentados ao casal Eugênio e Olívia, na verdade somos apresentados ao médico Eugênio…

  • Livros e a biblioteca

    elvis & madona [uma novela lilás], de Luiz Biajoni

    Um livro que nasceu de um roteiro. Assim surgiu Elvis & Madona [uma novela lilás]. Luiz Biajoni foi convidado pelo cineasta Marcelo Laffitte para escrever um livro a partir do roteiro para o filme homônimo (que eu ainda não assisti). Biajoni topou e daí nasceu esse livro que é um libelo pela tolerância, pura diversão e um texto para reflexão. Eu recebi esse livro na minha casa porque ganhei numa promoção no twitter d’O Pensador Selvagem. Demorei um pouco para ler porque a fila é grande, mas quando resolvi começar não parei mais. E a experiência foi super bacana porque li ao lado de Ju numa viagem de trem. A…

  • Livros e a biblioteca

    Areia nos Dentes, de Antônio Xerxenesky

    Livro de faroeste com zumbis. Sim, para impressionar já de antemão. Como o Daniel Galera falou na primeira linha da orelha do livro: “Se tem zumbi no meio, só pode ser bom”. Acho essa frase muito verdadeira, com raríssimas exceções. E Areia nos Dentes definitivamente não é uma excessão. O livro está aí para confirmar que história com zumbi é boa de ver, de ler e de contar. Xerxenesky usa e abusa das referências cinematográficas para compor seu cenário inusitado: o oeste, aquele velho oeste de filme americano (seja ele filmado na Itália ou na Espanha, ou não). Confesso que o gênero de filmes nunca foi meu forte, que vi…

  • Livros e a biblioteca

    Garota papo-firme

    Então que ontem foi o lançamento do livro Nunca fui a garota papo-firme que o Roberto falou, de Cristiane Lisbôa (referência a um canção de Roberto Carlos). E foi super bacana. A moça esbanjou simpatia, ganhei um exemplar do livro, marca-página exclusivo para o lançamento, autógrafo e ainda assisti o pocket show da Gisele de Santi, que terminou com surpresa: ela transformou em canção um dos micro contos de Cristiane, Mas naquele tempo eu não sabia (p. 21) , que ficou muito lindo. Gisele foi um espetáculo à parte. Com uma voz absolutamente linda, me encantou desde a primeira até a última canção. Mas a noite foi de Cris Lisbôa,…

  • Livros e a biblioteca

    Qorpo Santo, três comédias

    Qorpo Santo (José Joaquim de Campos Leão, Triunfo, 19 de abril 1829 – Porto Alegre, 1 de maio de 1883) foi um dramaturgo gaúcho esquecido por muito tempo, que teve sua importância recuperada apenas na segunda metade do século XX. Ele nos deixou como herança uma extensa obra teatral, todas as suas peças estão em domínio público, disponíveis para download gratuito na página do Domínio Público. Criou sua própria gramática, de onde se pode compreender a peculiar grafia de seu nome. Foi professor, diagnosticado como louco e interditado judicialmente a pedido da própria família, escrevia compulsivamente. Recentemente li um livrinho (o diminutivo refere-se apenas ao tamanho físico do livro, e não a sua qualidade)…

  • Livros e a biblioteca

    Gota D’água – uma tragédia carioca

    Gota D’água é uma releitura da Tragédia Grega de Eurípedes escrita por Paulo Pontes e Chico Buarque durante a Ditadura Militar no Brasil. A tragédia de Chico e Paulo sai da Grécia e chega nos morros cariocas. É a história de Joana e Jasão. E da vizinhança da Vila do Meio-Dia. Jasão trocou Joana para casar-se com Alma, filha do rico Creonte. A história se desenrola aos moldes do original grego, mas ambientado no Rio de Janeiro e ganhando contornos modernos, personagens novos e novas motivações. Joana sente-se traída, grita, chora, faz o diabo. Mas Joana não é Medéia, e no Rio ela é macumbeira. Promete desgraçar a vida de…