• Mochileira pobre

    Minha primeira vez na terra da garoa

    Então que duas semana atrás eu fiz minha primeira viagem para São Paulo, capital. Sair de Porto Alegre em direção ao centro do país pode ser rotina para muitos, mas para mim não. Antes eu tinha visitado apenas Campinas, e mais abaixo no mapa (ou acima, dependendo da posição do seu mapa) Curitiba. E eu que nunca tinha demonstrado interesse em visitar a maior cidade do país, pois eu tenho certa fobia de gente – multidões, para ser específica – voltei de lá com a certeza de que é destino certo para muitas outras viagens. O passeio foi corrido, apenas três dias, mas, apesar do banho de chuva e da…

  • Sora Dani,  Vida de estudante

    Professora Daniela? – O que aprendi e o que espero da (e na) sala de aula.

    Foram alguns anos esperando até que chegasse finalmente a hora derradeira. Pode parecer exagero, mas desde o momento em que decidi o curso que faria na universidade eu sabia que a hora de dar aula seria esperada com ansiedade. Agora, mais perto do que nunca de pisar em uma sala de aula experimentando o outro lado, uma série de perguntas afloram incessantemente. O que fazer? Como fazer? Será que eu consigo? Será que eu tenho competência para ser professora? Para ser professora de História? O ensino de história na escola serve para que, afinal? São tantas perguntas e poucas respostas. Ensinar História é uma tarefa de grande responsabilidade. A história…

  • Livros e a biblioteca

    Um poema aos Domingos #1

    O trecos & trapos está passando por algumas reformulações, dentre elas a criação desta coluna: Um poema aos Domingos. Sempre aos Domingos, em quase todos, publicarei um poema do qual eu goste ou uma indicação tua. Por quê? Simplesmente porque a poesia nunca foi meu forte. Nem na leitura, muito menos na escrita. E eu quero descobrir um pouco mais sobre poetas e suas obras e sensibilizar-me um pouco mais a partir desse formato de literatura. No começo vou colocando os poemas que gosto. E para começar bem resolvi colocar um poema de Heiner Müller. O poema é uma homenagem à Pina Bausch. Sangue na Sapatilha ou Enigma da Liberdade…