Livros e a biblioteca

Feira do Livro? A polêmica!

Na sexta-feira, 26 de outubro de 2007, teve início a 53ª edição da Feira do Livro de Porto Alegre. Uma grande feira de livros à venda com os mesmo descontos dados em qualquer promoção de qualquer livraria! Acho o evento cultural válido como patrimônio Cultural da cidade. No entanto a verdadeira função social está apagada (se é que algum dia ela esteve ali).

É de praxe ir até a Praça da Alfândega nos meses de Outubro e Novembro visitar as centenas de banquinhas e participar das muitas atividades oferecidas para o público. Mas a cultura do livro em Porto Alegre, ao contrário do que possa parecer, não existe (ou ainda é bastante fraca). Na contramão da feira as pessoas passam pela praça em mais um evento, sem se dar conta do que aquilo realmente representa. Vender livros é o maior objetivo da feira e é exatamente nisso que eu discordo do evento. Cultivar a cultura do livro é muito mais importante do que vender milhares de exemplares que ficam entulhados em estantes empoeiradas.

No ano passado houve uma iniciativa muito boa, a de criar uma espécie de lounge onde as pessoas poderiam sentar, conversar sobre livros e trocar idéias sobre diversos assuntos, ou simplesmente ler. Nesse ano o lounge não vai acontecer novamente. Por quê? Porque, segundo uma das organizadoras em entrevista ao jornal ZERO HORA,  a senhora Sônia Zancheta (ex-patroa, que eu detesto) esse espaço era desnecessário e lotava demais. Ora senhora Sônia, um espaço de convivência não seria um espaço para que as pessoas pudessem freqüentar?

Em suma, a Feira do Livro é um evento baseado na hipocrisia: vender é mais importante que ler! Bizarro.

Anarca, feminista, vegana, cat lady, bookworm, roller derby, hiperbólica, entusiasta das plantas e constante aprendiz. Rainha de paus, professora de história, amante de histórias. Meu peito é de sal de fruta fervendo num copo d'água. 🌈✊Ⓥ👩🏻‍🏫👩🏻‍💻📚🧙‍♀️🎨📿🥾🏕️ 🐈 🐈 🐈 🐈 🐈 🐈

Deixe seu comentário

7 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
André
30 de outubro de 2007 7:54 am

“esse espaço era desnecessário e lotava demais”.

Ah, se eu encontro essa senhora na minha frente…

Não adianta, um evento desse porte, ainda mais no Brasil, sempre vai ter o intuito de lucrar.

O que falta realmente, são pessoas que gritem mais alto, que mostrem exatamente o que você falou para os organizadores. Só que uma única voz nunca vai dar resultado.

Hora de uma manifestação? Eu to dentro! =)

ps.: É sério.

João
João
30 de outubro de 2007 4:08 pm

concordo contigo em partes. na verdade, é mais complexo do que isso. no capitalismo, vende-se. direta ou indiretamente (ou achas que com no Fronteiras do Pensamento a Copesul também não vende? ou que a Bienal também não vende nada?). buenas, mas essa é uma questão pra papo de bar 😉

também lamentei o fim do lounge. mas justiça seja feita: a idéia do lounge havia sido da própria Sônia, eu estava na frente dela quando ela deu a idéia à comissão organizadora da Feira.

bjs

babi
31 de outubro de 2007 5:41 pm

é foda. o ter sempre ganha do ser nesta lógica ilógica.

Vica
2 de novembro de 2007 1:59 pm

Normal, é o capitalismo!

trackback
23 de setembro de 2020 1:30 pm

[…] onde o preço é justo. Se não é justo, é barato. Uma bela tarde de primavera. Por mais que eu tenha certas críticas à feira, eu gosto muito de andar pela praça apreciando a multidão em busca de títulos e barganhas, de […]

7
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x