Retrato escolar antigo em preto e branco
No Passado,  Reflexões,  Sora Dani

Rotinas marcadas por gênero na cultura escolar

Alguns anos atrás iniciei  o trabalho docente, em um dos meus turnos de trabalho, numa escola diferente. E como de praxe, fui me familiarizando aos poucos com a rotina escolar. Uma das coisas que mais chamaram minha atenção nessa rotina foi o fato de termos de buscar as turmas nas filas na quadra da escola no início das aulas e após o recreio. Uma novidade pra mim, pois até então tinha trabalhado em escolas que a fila já era passado. E essa é uma prática que considero desnecessária em se tratando de adolescentes. Mas até aí, ok (um ok com cara de resignação e não de aceitação).

Mas que relação tem a fila com gênero? Essa rotina é marcada por gênero por dois motivos, o primeiro é que as filas são separadas entre meninos e meninas (na escola não tinha nenhuma aluna ou aluno transgênero conhecide e, portanto, nunca houve questionamento em relação a essa divisão por parte dos estudantes); e o segundo e mais “curioso” foi perceber que em todas as turmas uma prática é bastante recorrente: mesmo com a bagunça ao conduzir as turmas, as filas deixando de ser fila aos poucos conforme vamos avançando em direção à sala de aula, sempre que chegamos na porta da sala a fila de meninos para na porta e cede lugar para que todas as meninas entrem na sala primeiro. No início estranhei e questionei alguns alunos que estavam esperando o porque eles faziam isso. Muitos respondiam que era por educação e outros porque era regra da escola. Fui perguntar à diretora, que me respondeu não ser uma regra mas um “acordo de civilidade e cavalheirismo” feito com eles desde o primeiro ano.

Nas aulas seguintes tentei conversar em sala sobre essa rotina e fui surpreendida com falas naturalizadoras. Comecei a questioná-los e um ou outro aluna e algumas alunas também começaram a expressar um desconforto com a situação por vários motivos. Entre esses motivos estavam: os meninos não achavam que era assim que respeitariam as meninas de verdade e as meninas acreditavam que isso demonstrava que elas eram diminuídas com essa postura de cavalheirismo. Essas ideias não eram majoritárias, mas estavam ali, pipocando entre algumas cabeças. Isso já me deixou muito entusiasmada para tentar semear umas ideias diferentes naquele jardim carregado de rotinas ultrapassadas.

Surgiu uma combinação com as turmas. Infelizmente essa combinação aconteceu muito raramente tendo em vista que são anos de “treinamento” contrário. A combinação? Fazer a fila das meninas entrar primeiro em uma aula e a dos meninos entra primeiro na aula seguinte. Quando eles lembravam disso, na maior parte das vezes, a fila dos meninos já estava parada enquanto a das meninas estava entrando. Parece uma combinação boba, mas surgiu de algumas falas de alunas e alunos enquanto discutíamos sobre as rotinas escolares e o porque de elas existirem. Nos debates apareceram falas que denotavam surpresa a respeito da falta de questionamento até então, pois eles próprios nunca tinham parado pra pensar nisso e nenhuma professora ou professor parecia se importar com a existência da fila ou com a divisão entre meninos e meninas. Os próprios estudantes começaram a refletir sobre o porquê de se fazer fila, por que uma fila dividida entre meninos e meninas e as meninas entrarem na sala primeiro, será que é somente organização? Ou faz parte de uma cultura escolar marcada por questões mais profundas? Antes tudo era sempre visto como natural e necessário para manter a ordem na escola. A partir dos debates as coisas deixaram de ser naturias, apesar de não ocorrer uma mudança significativa e palpével. Mas considero a simples proposição e o questionamento uma das pequenas vitórias diárias que colecionamos enquanto docentes.

"1937 Vintage High School Class Picture" by Tobyotter is licensed under CC BY 2.0

Anarca, feminista, vegana, cat lady, bookworm, roller derby, hiperbólica, entusiasta das plantas e constante aprendiz. Rainha de paus, professora de história, amante de histórias. Meu peito é de sal de fruta fervendo num copo d'água. 🌈✊Ⓥ👩🏻‍🏫👩🏻‍💻📚🧙‍♀️🎨📿🥾🏕️ 🐈 🐈 🐈 🐈 🐈 🐈

Deixe seu comentário

3 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mariáh Oyarzabal da Luz
Mariáh Oyarzabal da Luz
8 de novembro de 2020 5:17 pm

Certeza que isso marcou em muitos deles. Tu é maravilhosa ❤

Diony
Diony
8 de novembro de 2020 4:49 pm

Bela reflexão.

Passo o mesmo na escola. Professores e estudantes não gostam de fila, mas ainda fazem por motivos de uma suposta organização.

Acho que isso tem muito a ver com as análises do Foucault sobre normalização. E esse lance de dividir em gêneros, normaliza a ideia de somente duas possibilidades, ou é menina ou menino.

3
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x